6.7.12

Como escolher um fotógrafo?


Em geral, não é nada fácil escolher o fotógrafo para o dia de casamento. Há imensa oferta, com uma variedade enorme de orçamentos e com portefólios que muito dificilmente se saberá se são representativos de todo o trabalho ou de todos os trabalhos.


Como é que se pode começar?

Em primeiro lugar, é boa ideia elaborar uma lista inicial com nomes de fotógrafos. Para tal, os noivos podem:

a) tentar lembrar-se se houve alguma reportagem de casamento excepcional nos casamentos a que já foram; em caso afirmativo, podem pedir referências aos noivos e perguntar o que correu bem e se algo correu mal

b) pedir ajuda a amigos mais experientes e com gostos semelhantes aos seus

c) recolher ideias em sites com que se identificam e que recomendem os fotógrafos porque realmente apreciam o trabalho e não por terem outro tipo de interesses [é muito comum vermos, em vários sites, opiniões sobre diferentes profissionais; se não conhecermos bem esses sites, como é que vamos saber se podemos confiar ou não no que recomendam ou no que criticam?]

d) tentar obter opiniões através de fóruns ou mesmo do Facebook; mais uma vez, convém tentarem conhecer minimamente as pessoas que estão a falar dos profissionais, de modo a saberem se têm os mesmos critérios que elas e a perceberem se o elogio ou a crítica são genuínos ou têm segundas intenções

e) pedir recomendações a fornecedores de outras áreas em quem confiem; estes fornecedores até podem ter parceria com os fotógrafos que recomendam, mas, se os noivos os conhecerem bem e souberem que são selectivos em relação às parcerias, à partida poderão considerar que a opinião é sincera


As opiniões que lemos em vários locais podem ser extremamente úteis, mas convém sermos críticos e tentarmos perceber o que está por trás. São várias as situações que podem acontecer:

- Há profissionais que criam identidades fictícias de modo a publicitarem o seu trabalho e/ou a denegrirem o trabalho dos outros.

- É muito difícil encontrar pessoas que critiquem um fornecedor publicamente, sobretudo se ainda mantiverem alguma relação e se o trabalho final ainda não tiver sido entregue.

- É muito comum as pessoas elogiarem e recomendarem os fornecedores que escolheram, mesmo  que não tenham ficado totalmente satisfeitas com o trabalho. Gostam de sentir que fizeram boas escolhas e gostam de ver que os outros escolhem o mesmo.

- Há muitas pessoas que dão opiniões sinceras e imparciais mas que têm critérios e gostos muito diferentes dos nossos. Se gostarem de um estilo de fotografia e de um tipo de edição muito diferentes daqueles de que nós gostamos, ou se tiverem preferências diferentes das nossas quanto à postura dos fotógrafos, como é que poderemos guiar-nos pelas suas escolhas?

_____________________________________________________


Depois de terem uma lista inicial, os noivos podem analisar atentamente o portefólio de cada fotógrafo através do site, da página de Facebook e de outros locais onde as fotografias estejam expostas. Podem também tentar falar com outros noivos que os tenham contratado, de forma a recolherem diversas opiniões e perspectivas.

De qualquer forma, o passo mais importante será a marcação de uma reunião, de modo a poderem conhecer bem os profissionais e os seus trabalhos. Na impossibilidade de se encontrarem pessoalmente, poderão marcar uma reunião online, por exemplo através de videoconferência.

Esta reunião será importante para perceberem se há empatia e se se identificam com a forma de trabalhar do fotógrafo em questão. A empatia é o primeiro passo para que tudo corra bem. No entanto, pode também ter um aspecto menos positivo, que é importante ter em conta. Muitas vezes, sentimo-nos tão à vontade com o profissional, identificamo-nos tanto com ele e gostamos tanto do seu trabalho, que acabamos por sentir que estamos a lidar com um amigo e não com alguém que nos vai prestar um serviço. Tudo isso pode ser excelente se soubermos manter uma certa precaução e perceber os limites da amizade e da relação profissional.
Na verdade, já conheci mais do que um caso em que, tendo por base a confiança e a flexibilidade que o fotógrafo demonstrou ter em várias situações, os noivos não exigiram que houvesse uma prova escrita de tudo o que tinha sido acordado, e depois muitos detalhes não correram como eles tinham imaginado. Para além disso, a flexibilidade inicial deu lugar a uma enorme intransigência depois do casamento… e nessa altura já não havia nada a fazer.

Durante o processo de escolha, há que considerar um pormenor importantíssimo: o orçamento. Normalmente, depois de tomarem conhecimento dos diferentes valores, os noivos eliminam da lista as opções que fogem ao orçamento que estipularam. Eu considero isso perfeitamente válido, até porque, por muito que gostem do trabalho de um fotógrafo, não vão escolher algo que não possam pagar. No entanto, depois de terem opções cujos orçamentos sejam razoáveis segundo os critérios do casal, acho que devem ter como requisito principal a qualidade e não o preço. O preço é importante, sim, mas já vi várias situações em que se escolheu um fotógrafo em detrimento de outro por ter preços (apenas ligeiramente) melhores, e depois o barato acabou por sair caro, uma vez que a qualidade do trabalho deixou muito a desejar.
Dentro de um intervalo de preços que os noivos possam pagar, sugiro que dêem uma enorme relevância à qualidade de todo o trabalho, sobretudo em termos de captação de fotos e de edição de imagem.

Quanto aos valores baixos que muitas vezes vemos os fotógrafos apregoarem, sugiro que sejam analisados com atenção. Uma reportagem fotográfica de um casamento envolve reuniões com os noivos, muitas horas de trabalho no dia do casamento, deslocações, equipamento de excelente qualidade e que precisa de ser actualizado periodicamente, edição cuidadosa das fotos, que pode ocupar semanas de trabalho, já para não falar de possíveis sessões fotográficas antes e depois do casamento, bem como da elaboração de álbuns. Portanto, há valores que sabemos imediatamente que não pagam esse tipo de serviço.

_________________________________________________

Relativamente às questões a colocar aos fotógrafos, alguns exemplos podem ser:

1 - Quantos fotógrafos estarão presentes no dia do casamento?
[Dois fotógrafos conseguem normalmente captar muito mais momentos do dia, tornando a reportagem mais completa; no entanto, há casais que, por vários motivos, optam por ter apenas 1, e a verdade é que pode ser uma forma de reduzir o preço final.]

2 - Vão tirar fotos antes da cerimónia? Onde?
[Este ponto é normalmente acordado entre os noivos e os fotógrafos, mas há fotógrafos que têm ideias bastante fixas e convém saber isso com antecedência.]

3 - Quem vão ser os fotógrafos?
[Este aspecto é muito importante. Aconselho a escreverem no contrato o(s) nome(s) do(s) fotógrafo(s) e a pedirem para ver os respectivos portefólios. Há imensas empresas que trabalham com vários fotógrafos e, nas reuniões com os noivos, apenas mostram os melhores trabalhos, que podem não ser da autoria dos profissionais que vão estar presentes nos casamentos em questão. Por muito que digam que o trabalho de todos é idêntico, isso raramente é verdade. Muito dificilmente encontraremos dois fotógrafos com formas idênticas de trabalhar, e não faz sentido vermos o trabalho de um e depois termos outro a fotografar o nosso casamento. De facto, juntamente com a qualidade do trabalho, o mais importante de tudo (muito mais do que a opinião de outras pessoas) é que os noivos se identifiquem com as fotos que vêem.]

4 - É possível ver álbuns de casamento completos (e não álbuns com compilações das melhores fotos de cada casamento)?

5 - Como é que o trabalho será disponibilizado?

[Há muitos fotógrafos que não fornecem as fotos todas em formato digital e em alta resolução, sem marca de água. No "pack" que os noivos escolhem pode estar incluído um álbum, e depois pode nada mais estar clarificado. O que por vezes fazem é incluir um CD com as fotos em slideshow, ou seja, num formato que não permite ter acesso às fotos individuais. Se os noivos quiserem ter acesso a todas as fotos, convém deixarem tudo esclarecido logo no início. Claro que há profissionais que nem colocam isso em questão, mas também há noivos que não dão grande relevância a este "pormenor". Na minha opinião, muito mais importante do que ter um álbum bonito é ter as fotos todas editadas, em formato digital e na máxima qualidade. A partir delas, será possível criar um álbum a qualquer altura.]

6 - Na sequência do ponto anterior: há alguma questão relativamente aos direitos de autor?

7 - Durante quanto tempo é que serão mantidos os ficheiros raw (ficheiros originais, com toda a informação de base e que ocupam muito mais espaço que os ficheiros .jpg)?
[Há fotógrafos que apagam os ficheiros raw depois de entregarem o trabalho, precisamente por ocuparem muito mais espaço que os .jpg, e é a partir dos raw que é feita a edição de imagem profissional. Este detalhe pode ser importante no caso de um dia mais tarde os noivos pretenderem ter uma foto com uma edição diferente, e haver a possibilidade de o ficheiro raw já não existir.]

8 - No caso de haver um álbum, quem é que escolhe as fotos e o elabora? Os noivos têm acesso à versão provisória e podem fazer alterações?
[Há casais que preferem deixar tudo ao critério dos fotógrafos, mas há outros que querem escolher detalhadamente as fotos e a estrutura de todas as páginas. Mais uma vez, convém deixar tudo esclarecido.]

9 - Que tipos de álbuns é que é possível escolher?
[Para além de escolherem as dimensões, podem escolher o tipo de materiais e verificar se a qualidade de fabrico é boa.]

10 - Como é que os convidados têm acesso às fotos?
[Os critérios variam muito de fotógrafo para fotógrafo e, enquanto alguns acham boa ideia vender as fotos aos convidados no final do dia de casamento, outros recusam-se totalmente a fazer isso. Também há casais com perspectivas muito diferentes a este respeito, e por isso o ideal é mesmo debaterem as ideias com os fotógrafos até chegarem a um entendimento. Algumas alternativas a vender a fotos no próprio dia podem ser colocá-las numa galeria online à qual os convidados têm acesso, ou então deixar ao critério dos noivos distribuí-las por quem quiserem.]

11 - Têm alguma limitação com o horário?
[Não devemos partir do princípio que os fotógrafos chegam bem cedo e terminam o trabalho apenas no final da festa. Esse pode não ser o caso, e a verdade é que essa também pode não ser a vontade dos noivos.]

12 - Há alguma limitação quanto ao número de fotografias?
[Há fotógrafos que dizem especificamente quantas fotos vão tirar ou quantas fotos vão fornecer, e há outros que não colocam limites. Se o casal pretender ter um determinado número de fotografias, deve dizê-lo na reunião com o fotógrafo. Eu não concordo com essa perspectiva, uma vez que, a partir do momento em que há um número mínimo e são retratados todos os momentos e todos os detalhes, a qualidade deve ser a condição principal. Este não é, de forma alguma, um trabalho "a metro".]

13 - O valor que é apresentado inclui sessão de namoro e sessão "trash the dress"? Mesmo que não inclua, há a possibilidade de fazer estas sessões fotográficas? 

14 - É possível dar uma ideia de quando o trabalho será entregue?
[Não é preciso haver uma data exacta, mas convém saber se o trabalho final será disponibilizado ao final de 3 meses ou ao final de 1 ano (por exemplo).]

15 - O que acontece se o fotógrafo cancelar? E se os noivos cancelarem? Qual é a penalização? Tudo isso fica escrito no contrato?


16 - Há alguma flexibilidade se os noivos pretenderem alterar a data?



Se os noivos perceberem de fotografia ou tiverem um amigo que perceba, podem perguntar aos fotógrafos que equipamento será usado no casamento. Infelizmente há empresas que têm diferentes equipas de trabalho que usam equipamentos com diferentes níveis de qualidade, pelo que pode ser boa ideia esclarecer tudo logo de início.

Podem também tentar saber se os fotógrafos já trabalharam em casamentos nos locais onde o deles vai decorrer ou na mesma altura do ano (sobretudo se o casamento estiver marcado para o inverno, uma vez que há menos horas de luz e grande probabilidade de chover, exigindo mais da parte dos fotógrafos). Em caso afirmativo, podem pedir para ver imagens desses casamentos, o que ajuda a ter uma melhor ideia do trabalho. E, já agora, o que é que fazem no caso de estar mau tempo?

Há ainda um outro detalhe que pode ser insignificante para uns e muito importante para outros: a indumentária dos fotógrafos. Já falei sobre este assunto anteriormente e, apesar de não ser comum exigir-se um elevado grau de formalidade, também não me parece correcto que se vistam como se fossem para a praia. Infelizmente, já conheci casos assim, pelo que os noivos podem mencionar este assunto numa das reuniões.

Para além destas questões, os noivos podem ainda conversar com os fotógrafos acerca do tipo de fotos que consideram indispensáveis e, se acharem conveniente, podem criar uma lista de modo a que nada falhe.
São vários os casais que ficam tristes por não terem uma foto dos dois que seja digna de um póster, por não terem nenhuma foto com os pais ou com os padrinhos, por não ter sido captado um determinado momento especial, ou por não terem registo de detalhes que consideram importantes. Sendo assim, não há nada como deixar tudo escrito, até para que os fotógrafos entendam melhor o que os noivos pretendem.
É também importante esclarecerem qual será o estilo das fotos: artístico, fotojornalístico, tradicional, uma mistura de todos eles, …

Para lerem um pouco mais sobre as diferenças entre estilos fotográficos, poderão ver o post "Registar o dia do casamento - bastará a memória?".

Espero que, apesar de ter ficado bem mais longo do que eu estava a contar, o post seja útil e não muito maçador. Este é um tema que eu já queria ter abordado há mais tempo, por sentir que é bastante pertinente. De qualquer forma, mais vale tarde do que nunca...

7 comentários:

Anónimo disse...

ola
o que fazer quando experimentamos o vestido para a 1º prova e sentimo-nos horrorosas com ele. só me apetece chorar
patricia

hoje vou casar assim disse...

Olá Patrícia,
Isso é mais comum do que se possa imaginar, mas normalmente resolve-se com relativa facilidade. Muitas vezes, quando escolhemos o vestido, criamos uma expectativa tão alta e sonhamos tanto, que quando ele chega e caimos na realidade apanhamos um certo choque. Também pode acontecer que o vestido ainda não esteja bem à medida e, com algumas alterações, passe a ficar bem. Se quiseres uma ajuda mais concreta, envia-me um email para hojevoucasarassim@gmail.com .

Tem calma que vai correr tudo bem!

beijinhos

Palco do tempo disse...

boas dicas :)

Fran Huesa disse...

adorei a dica...anotado aki jah...
bjos

respireecase.blogspot.com.br

mari disse...

Excelente post! Mt util mesmo. Estou agora a fazer a tal lista. No nosso caso já fizemos uma sessão de solteiros e adoramos o resultado, o que aumentou as espectativas para o dia. Esperamos mesmo que corra tudo bem.

hoje vou casar assim disse...

Muito obrigada pelos comentários!
Fico muito contente por terem achado o post útil :)

beijinhos

MARIAGE NOIVAS disse...

Boa noite, tenho um site de fotos, e gostaria de receber alguns artigos para ilustrar no meu site, e orientar os noivos, é possível.

studiovaldemarsantos@gmail.com

www.studiovaldemarsantos.blogspot.com

www.facebook.com/studiovaldemarsantos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...