30.8.12

Trash the dress / Cherish the dress / Love the dress ?

fotografia: Viktor Babintsev

Há vários anos que os casais optam por tirar fotografias depois do dia do casamento, voltando a usar o vestido de noiva e o fato do noivo.

Podem ser muitos os motivos:
- no dia do casamento não haver tempo para tirar muitas fotos ao casal
- o casamento ser ao final da tarde ou à noite, não havendo muitas horas de luz
- ter havido alguma falha da parte do fotógrafo
- querer ter uma espécie de "fotos oficiais" para guardar e/ou para oferecer aos convidados
- aproveitar para utilizar vários acessórios e vários penteados, já que no dia do casamento se escolhe apenas 1 de cada, normalmente
- querer ter fotos em locais que são especiais para o casal

Mais recentemente, surgiu o conceito de "Trash the dress", que à partida pressupunha a destruição do vestido de noiva com o objectivo de conseguir fotos bonitas e originais. Por um lado, há a parte simbólica de usar o vestido de noiva pela última vez e, assim, dar por encerrado um ciclo. Por outro lado, há a ideia de que mais vale tirar o máximo proveito do vestido em vez de o guardar para sempre no armário.

Aqui surge uma questão relevante: a sessão fotográfica é destinada apenas à noiva? Se tivermos o título em consideração, a resposta é 'sim'. No entanto, é comum o noivo participar também, pelo que vemos aqui uma primeira limitação do nome escolhido.

Numa sessão fotográfica deste tipo vale tudo, desde entrar na água até pintar o vestido. Não há limites para a criatividade, assim como não há limites para a irreverência.

A verdade é que muitos casais ficaram de pé atrás perante a ideia de destruírem algo tão importante para eles. Queriam ter fotos originais, mas era imperativo ficarem com o vestido e o fato intactos.

Claro que haveria a possibilidade de usarem outro vestido e outro fato apenas para a sessão fotográfica (e essa foi a solução que vários casais encontraram), mas assim não ficariam com fotos com o que usaram no casamento.

Neste sentido, muitos fotógrafos por todo o mundo resolveram fazer algumas alterações ao conceito, mantendo o nome "Trash the dress". O objectivo continuou a passar por obter fotos criativas e nada convencionais, em locais muitas vezes inesperados, mas deixou de implicar qualquer tipo de estrago ou destruição. Manter o nome - que é bastante chamativo - deu uma maior visibilidade às sessões posteriores ao casamento e, simultaneamente, trouxe um maior estímulo tanto aos fotógrafos quanto aos casais para marcarem a diferença e para desenvolveram a originalidade no que diz respeito ao planeamento, aos locais escolhidos, às poses, aos acessórios e mesmo à parte técnica da fotografia. O número de reportagens acerca destas sessões fotográficas multiplicou-se, tal era a curiosidade que o nome suscitava, e o nome foi ficando cada vez mais conhecido.

Passou a ser comum incluir este tipo de sessões fotográficas nos serviços de fotografia, e começámos a ver uma enorme variedade de locais e de temas.

Tudo isto conduziu a uma mudança que se estendeu até ao próprio registo fotográfico do dia do casamento. Nota-se uma preocupação cada vez maior pela criatividade, pela inovação e até pela qualidade.

Não obstante, a designação continua a suscitar opiniões diversas, precisamente por ser bastante ambígua. Sendo assim, vários fotógrafos e vários casais acabam por escolher nomes diferentes. "Love the dress", "Cherish the dress" e "Rock the frock", por exemplo, pressupõem uma espécie de homenagem ao vestido, mas também não incluem o noivo. Depois há outras opções, como "Love session" e "After session", que podem ser mais rigorosas no significado, mas que não ficam no ouvido da mesma forma.

E assim voltamos à questão inicial. "Trash the dress" é um título com impacto, que desperta a atenção das pessoas e que é fácil de memorizar. Para além disso, a sua popularização fez com que fosse, de todos, o mais pesquisado pelos casais - e claro que, no dias de hoje, este aspecto tem uma enorme importância para os profissionais de fotografia que querem dar a conhecer o seu trabalho a um grande número de pessoas.

Independentemente do nome, o que importa verdadeiramente é conseguir um registo fotográfico excepcional e pelo meio passar um bom momento e aproveitar para namorar muito!

4 comentários:

eleperguntoueeladissesim disse...

Love the dress acho que é o mais adequado...Pois é uma relação de amor com o vestidón.
Beijinhos

Mary disse...

Ainda hoje ouvi na Comercial a falarem das sessões Trash the Dress e apenas a referirem que eram sessões para destruir o vestido, quando o conceito já evoluiu e culmina exactamente no que mencionas (coincidência ler isto no mesmo dia! :) ).

Julgo que pode dar o nome que se quiser (Love Session faz-me lembrar as sessões de noivado, pré-casamento, por isso acho que não se adequa). No fundo, não acho que Trash the Dress seja desadequado, apesar de não haver estragos no vestido julgo que não se tem o cuidado que se tem no dia do casamento, para não sujar com comida, para ter mil cuidados a ir ao wc, para compor... o mesmo para o noivo,l que pode ser fotografado só de camisa, sem gravata, descalço..

Adoro ver estas sessões com acessórios como galochas, casacos de malha coloridos, meias de cor, acessórios coloridos, enfim, que fujam um pouco ao ar angelical que as fotos de casamento por norma têm. Deve ser divertido acima de tudo! Se me casar, sem dúvida que quero fazer :D (mas num sítio isolado para não ficar tudo a olhar :) )

Raqs disse...

Adoro essas sessões, ficam lindíssimas =)

Sónia disse...

Eu fiz 2 sessões dessas e adorei!
A primeira fiz um mês depois de me casar e ficaram lindas as fotos, foi num edifício abandonado e na praia, Na segunda fiz mesmo na cidade do Porto e adorei o resultado.
O vestido esse está bem guardado quem sabe para outra sessão :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...